Publicações

07/07/2016

Exclusivo - Milho branco

Fonte: Kleffmann Group México

Exclusivo - Milho branco

De onde ele vem?

Milho é definido na família botânica como uma Poaceae ou Gramineae, juntamente com trigo, aveias, arroz, cevada e centeio. Acredita-se amplamente que antigos habitantes da Mesoamérica (México e América Central) começaram a cultivar “teocintles” (uma gramínea muito parecida com milho que cresce naturalmente nessas regiões. Considera-se que as primeiras populações de “teocintle” que cresceram no centro do México ou aqueles dos trópicos quentes de Balsas Basin são os ancestrais do milho branco domesticado e cultivado em geral.

 Onde ele cresce?

De acordo com as estimativas, a produção mundial de milho branco é de aproximadamente 65 a 70 milhões de toneladas, representando 12% a 13% da produção mundial de milho, considerando todos os tipos de milho. Mais de 90% da produção de milho branco vem de países em desenvolvimento. Em contraste com o maior produtor de milho do mundo, os EUA, que produz menos de 1% de sua produção total em milho branco.

Uma das regiões onde esse milho é cultivado é a África, onde o Quênia, Malaui, Tanzânia, Zâmbia e Zimbábue são os maiores produtores.

No México, sendo parte importante das raízes culturais mexicanas, milho é cultura com maior dispersão geográfica e parte integrante dos costumes gastronômicos do dia a dia. Milho branco corresponde a 90% da produção total de milho no México, de acordo com o Ministério da Agricultura, Pecuária, Desenvolvimento Rural, Pesca e Alimentação (SIGARPA) 2014 (PV + OI).

Adicionalmente, ele é parte muito importante da cadeia produtiva de gado e de muitos produtos industriais.

A região do norte do México é a que possui maior desenvolvimento tecnológico, onde existem grandes áreas irrigadas, alto uso de sementes híbridas, maiores fazendas e monoculturas.

Em contraste ao Norte, a região Sul é caracterizada por pequenos produtores sem irrigação e usam sementes nativas e usualmente dividem suas áreas para cultivo de outras culturas como feijão, abóbora e pimenta.

Como o desenvolvimento e o cultivo de milho branco evoluíram ao longo dos anos?

A maioria dos estados do México tem uma grande porção de cultivares locais e utilizam baixa tecnologia nos seus processos produtivos. Contudo, empresas de sementes tem desenvolvido híbridos de alta produtividade nos anos recentes. Na região norte de Sinaloa, os produtores plantam predominantemente híbridos com produtividade média de 10,6 ton/ha (Temporada OI de acordo com SIGARPA 2014).

Organismos geneticamente modificados tem sido testados em poucos lugares no México, porém não estão aptos a acessar o mercado da exploração comercial. Isso se deve em parte ao medo das pessoas dos possíveis efeitos que seriam trazidos a saúde; mas também se deve ao medo que esses novos materiais possam contaminar as variedades nativas e a variabilidade genética, protegida por tanto tempo, poderia se perder.

Em consideração a isso, todas as melhorias nos sistemas de produção (sem OGM’s), tem focado em:

Criação de novos híbridos:

·         Aumento de performance

·         Maior resistência a armazenamento

·         Maior qualidade do grão

·         Melhor tolerância/resistência a doenças

Métodos de cultivo:

·         Uso de semeadoras

·         Distância entre linhas e plantas

·         Densidade de plantio

·         Irrigação

Controle eficiente de pragas e daninhas:

·         Uso de tratamento de sementes ou inclusão destes nas sementes

·         Produtos efetivos para controle da Spodoptera frugiperda.

·         Uso extensivo de herbicidas não seletivos incluídos os usados na pós emergência.

·         Uso de produtos pré emergentes.

Tudo que foi citado anteriormente está mais associado a híbridos do que a sementes nativas.

Fatos Kleffmann Group sobre milho:
A Kleffmann Group estabeleceu que o mercado para as sementes híbridas de milho no México é predominantemente comandado por duas empresas.

Mesmo que o mercado de agroquímicos tenha contraído nos últimos três anos, o uso de sementes híbridas tem crescido. A razão é que mais produtores pequenos estão usando menos agroquímicos, ou nenhum, e se o fazem, utilizam na maior parte das vezes herbicidas e cultivam apenas milho.

Na contramão, grandes produtores do México utilizam herbicidas e inseticidas. Mais comumente, os produtores não associam as marcas dos agroquímicos ao seu correto fabricante (contudo, são mais familiares com as marcas de sementes).








Mantenha-se atualizado com o Agro KLFF

Cadastre-se e recebe diariamente as novidades do mercado

2016 Portal KLFF. Todos os direitos reservados.

Termos de uso. Política de privacidade.