Notícias

26/03/2019 - Soja

Soja: Momento é ou não de venda? Seis especialistas respondem


Vender soja ou esperar? Fazer negócios com a safra nova ou atual? Vale a pena, financeiramente, carregar essa soja para novos negócios mais adiante? Essas são perguntas que produtores no Brasil inteiro estão se fazendo neste momento e buscando garantir uma boa estratégia de comercialização diante de tantas variáveis em aberto. 

O cenário é, de fato, bastante incerto e exige profissionalismo, cautela e um planejamento detalhado. 

O Brasil já tem algo entre 44% e 45% de sua safra 2018/19 de soja comercializada, contra uma média dos últimos cinco anos para este período de 54% a 55%, o quer dizer que os negócios estão atrasados. E a comercialização vinha caminhando bem lentamente nas últimas semanas até começar a sentir os impactos do câmbio. 

Nas últimas duas sessões, a moeda americana disparou frente à brasileira e voltou a testar a casa dos R$ 3,90, acumulando um ganho de mais de 2% na última semana. O movimento puxou os preços no Brasil - algumas localidades viram as referências subirem até R$ 2,00 por saca - e alguns negócios foram firmados.  

Entre todos as pontas soltas que ainda podem ser observadas no mercado e que, quando amarradas, poderão mudar a direção das cotações estão:

Guerra Comercial China x EUA
Uma nova rodada de conversas, pessoalmente, acontece no final desta semana em Pequim com uma delegação americana a caminho da capital chinesa. Na semana seguinte, é a vez dos chineses irem a Washigton. Segundo especialistas e estudiosos, um acordo efetivo poderia ser divulgado somente em junho. 

Além disso, explicam ainda que no tocante do agronegócio, os pormenores já estariam resolvidos, mas a questão da tecnologia e da propriedade intelectual ainda são um ponto de grande desacordo entre os dois países. 

Em 8 de março, o conflito comercial - um dos mais sérios da história recente - completou um ano. 

Safra 2019/20 dos EUA
No final desta semana também, o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) traz seu primeiro reporte oficial com números de intenção de plantio para a safra 2019/20. Era consenso entre as consultorias privadas norte-americanas - e também as brasileiras - uma expressiva redução para a soja, com os produtores optando mais por milho e trigo. 

No entanto, as recentes inundações que severamente prejudicaram - e ainda prejudicam o Meio-Oeste americano, com previsão de estenderem até maio - colocaram essas perspectivas em xeque, uma vez que o mercado ainda está observando se toda essa umidade pode atrasar o plantio do milho e fazer o produtor ter de rever sua estratégia e adequá-la a esse novo quadro. 

Segundo analistas e consultores, ainda é prematuro, portanto, tentar entender como será dividida a área norte-americana. 

Demanda da China
A demanda chinesa por soja também é uma incógnita nesta temporada. Depois de iniciada a guerra comercial com os EUA, as compras da nação asiática se mostraram mais limitadas, com os chineses buscando alternativas para o uso da soja e focando todas as suas importações no mercado da América do Sul, especialmente o Brasil. E ainda segue focada por aqui as compras de maior volume do maior importador mundial da oleaginosa. 

Entretanto, o país foi acometido por um severo surto de peste suína africana que tem castigado seus planteis, promovendo muitos abates e reduzindo o consumo de ração internamente, apertando as margens de esmagamento e mostrando que, mesmo ativa, a demda da China pela commodity estaria, ao menos, comprometida. 

Safra da América do Sul e participação do Brasil como maior fornecedor mundial

A safra 2018/19 da América do Sul está sendo concluída, com a colheita ainda em desenvolvimento, principalmente no Brasil e na Argentina, e o mercado quer conhecer o número real dessa temporada. Mais do que isso, porém, o mercado precisará entender qual será a participação do Brasil neste mercado como o atual maior vendedor de soja do mundo. 

As certezas que são conhecidas neste momento são a de que o saldo exportável do Brasil será menor este ano - por conta da quebra ocasionada pelas adversidades climáticas - e que o país terá de racionar sua demanda no segundo semestre. Dessa forma, o protagonismo brasileiro no comércio global da commodity passou a ser mais uma variável para o mercado e para a formação das cotações. 

Câmbio no Brasil
O futuro da economia do Brasil está nas mãos da Reforma da Previdência. No Congresso Nacional, como já era esperado, o texto enfrenta uma série de obstáculos e precisa de uma união política ainda mais forte para que seja aprovada sem que sofra grandes mudanças no projeto original. 

As incertezas, porém, pesam mais agora e - aliadas a fatores externos - foram direta e rapidamente refletidas pelo câmbio, que somente na última semana somou uma alta de mais de 2%, alcançando seu mais alto patamar em 22 semanas. Os preços da soja no Brasil sentiram esse efeito imediatamente. 

A volatilidade, porém, é grande e intensa. A disparada da última semana se voltou a uma realização de lucros nesta segunda-feira e o dólar registrou sua maior baixa em seis semanas.

Fundos Investidores
Os fundos de investimento seguem carregando uma posição vendida recorde nos grãos - não só na soja - e esperam a definição de algumas dessas variáveis para começar a refazê-la. 

Diante disso, vender ou não vender soja agora? Seis especialistas responderam ao Notícias Agrícolas. 

Marcelo De Baco, De Baco Corretora de Mercadorias
"Com esta situação de clima nos EUA e a indefinição de acordo (China x EUA), creio que vamos ter bastante procura pela soja do Brasil em abril. Eu não venderia hoje, ficaria atento de hojte até o próximo dia  10, com as trocas de posição de embarques nos EUA para cá. Podemos ter tradings buscando abastecer seus compromissos, precificando melhor do que o mercado indica de prêmio", diz o analista de mercado da De Baco. 

"Temos de ficar atentos aos movimentos dos chineses, mas mesmo que não tivesse o problema de inundações nos EUA, eles precisam vir para cá, os volumes são muito grandes. Não acho que o céu é o limite, mas é preciso estar dia a dia no mercado. Temos lotes com preços de objetivo marcados e se a bolsa ou outra variável dá a conta fechamos na hora, com isto o produtor pode ficar mais focado no operacional da lavoura", completa. 

Ênio Fernandes, Terra Agronegócios
Para Ênio Fernandes, novas vendas somente com boas oportunidades trazidas pelo câmbio. "Eu venderia se o dólar chegasse a R$ 4,00, o que poderia levar o porto a se aproximar dos R$ 84,00 por saca, o que é um ótimo preço. R$ 79,00 já é margem, mas porque vender abaixo dos R$ 80,00 neste momento? Somente na necessidade.   

Para o consultor em agronegócios, as melhores chances de venda para o produtor brasileiro deverão vir via dólar, com poucas chances de grandes altas em Chicago - "não acredito em um acordo saindo agora em abril" - e afrima ainda que a partir de setembro a janela de oportunidades poderia se estreitar. "A partir daí, teremos que observar os lineups", completa. 

Camilo Motter, Granoeste Corretora de Cereais
"Acredito que o produtor tem que ir aproveitando as oportunidades, está muito incerto pela frente. EUA e China, como fica; questão da peste suína africana; plantio e evolução da safra dos EUA. Em face de tantas incertezas, acho que tem que ir participando", diz. 

Assim como os demais especialistas, Motter afirma ainda que o câmbio, recentemente, tem sido o principal diferencial e que é um fator de extrema importância neste momento. "O câmbio abriu uma boa oportunidade nestes dias e o mercado teve um dinamismo maior nestes dias", explica. 

Andrea Cordeiro, Labhoro Corretora
"Se você prospectar que os EUA estão indo para uma safra de soja e milho, com ajustes de área, possivelmente uma área de soja menor, mas não muito, e não visualizar um entendimento entre China e EUA no curto prazo, os preços não teriam razão para subir nesse momento, apenas os prêmios para a América do Sul. Por outro lado, no Brasil, temos um diferencial que é uma valorização do prêmio e a questão cambial.  Assim, sempre orientamos que o produtor trabalhe com vendas, fazendo médias, e não assuma totalmente um risco de esperar para um entendimento (entre chineses e americanos)", acredita a analista. 

E Andrea completa dizendo que este é, de fato, "um risco muito grande para o produtor brasileiro assumir, e por isso a orientação é de que ele faça vendas fracionadas, de acordo com suas necessidades, e quando estiver descoberto que se posicione comprando opções em Chicago, na B3". 

Ainda como parte da estratégia para a safra nova, ela explica ainda que é importante que sejam observados os prêmios para a nova temporada. Ainda como parte da estratégia para a safra nova, ela explica ainda que é importante que sejam observados os prêmios para a nova temporada. "Estamos sugerindo aos nossos clientes que faças vendas com Chicago em aberto e prêmio a fixar, aproveitando este momento de valorização enquanto não sai um acordo. Os prêmios praticados para o Brasil e para a Argentina estão diferenciados em relação aos praticados no Golfo. Assim, o produtor brasileiro compromete uma venda, deixa Chicago em aberto, trava o prêmio e ainda demanda uma trava cambial na hora em que o produtor quiser fechar a perna do seu hedge se a conta dele for em real. Essa pode ser uma estratégia que possa vir a cobrir eventuais riscos da safra nova", complementa.  

Matheus Pereira, ARC Mercosul
Sobre as vendas da safra atual, Pereira diz que o melhor "é esperar a pressão de colheita passar. Há espaço para novas altas, mas ideias de estocar em silo-bags não vemos como rentáveis", diz. E também completa citando a questão cambial. "R$ 3,90 é uma ótima oportunidade de venda, só altera o cenário se a reforma ganhar movimento", diz. 

Entretanto, para a safra 2020, a orientação é de que o produtor "venda dentro dos próximos 40 dias, pelo menos pra travar os custos esperados".

Luiz Fernando Gutierrez, Safras & Mercado
Para o analista de mercado da Safras & Mercado, o câmbio de fato traz um momento interessante para os preços, mas o que chama a atenção agora é a safra nova. "A safra 2020 já está marcando entre R$ 84,00 e R$ 84,50 nos portos". E para a safra atual, "o produtor tem na mente o patamar dos R$ 80,00 e alguns já conseguem isso", explica. 

E Gutierrez explica ainda que, para a temporada atual, salvo o câmbio, os demais fatores agora são negativos, com poucas chances de ganhos em Chicago ou nos prêmios. "Com um acordo, a situação muda. Chicago sobe, e os prêmios respondem negativamente aqui, sem acordo, os prêmios voltam a subir no Brasil". 

Por: Carla Mendes
Fonte: Notícias Agrícolas - http://tempuri.org/tempuri.html




Mantenha-se atualizado com o Agro KLFF

Cadastre-se e recebe diariamente as novidades do mercado

2016 Portal KLFF. Todos os direitos reservados.

Termos de uso. Política de privacidade.