Notícias

26/02/2020 - Soja

RS recebe chuvas pontuais no centro do estado, mas alívio para a soja quase não vem


O Rio Grande do Sul recebeu chuvas, depois de dias de tempo seco. Os maiores volumes foram registrados no centro do estado - com algo perto de 22 mm em Panambi ou 32 mm em Ibirubá - segundo relatos de produtores locais. Santo Ângelo, Giruá e a capital Porto Alegre também receberam certas pancadas.

O alívio para lavouras que estão há mais de 20 dias sem chuvas consideráveis foi apenas momentâneo e pontual, como explica o presidente da Aprosoja RS, Décio Teixeira. Segundo ele, a principal característica desta safra tem sido a má distribuição e os baixos volumes das chuvas, com a possibilidade de que as perdas na produtividade da soja possam se agravar ainda mais. 

"As lavouras estão muito necessitadas e aguentam mais algo somente entre 10 e 12 dias sem chuvas", diz Teixeira. "Até mesmo a região de Passo Fundo, que vinha um pouco melhor, já está precisando muito das chuvas agora também. Foi algo somente "da mão para boca" e não supre as necessidades".

Mapas do Inmet (Institituto Nacional de Meteorologia) mostram que nos períodos de 24 horas, 3 e 5 dias, o acumulado da chuvas no Rio Grande do Sul está zerado. 

Para os próximos dias, ainda segundo as previsões do Inmet, algumas chuvas são esperadas para o estado gaúcho, porém, concentradas no extremo norte do Rio Grande do Sul, nos dias 26 e 27 de fevereiro. Na sequência, de 29 a 1º de março, novas chuvas podem ser observadas no sul gaúcho, porém, com o tempo voltando a secar no dia 2. 

Na medida em que as chuvas seguem irregulares, mal distribuídas e de baixo volume, "a esperança vai diminuindo", lamenta o presidente da Aprosoja RS, reafirmando que as lavouras de soja precisam é de continuidade e precipitações volumosas daqui em diante, e com urgência. "Estamos vendo a soja se desidratando e a perda de produtividade pode ser pior do que os 30% que estamos vendo em algumas localidades", diz Décio Teixeira. 

Dessa forma, o presidente acredita ainda que, no atual momento, a perspectiva para a colheita da soja no estado passe a algo entre 13 a 14 milhões de toneladas, contra a estimativa inicial de 19 milhões. "E esse ainda pode ser um número alto". 

Por: Carla Mendes

Fonte: Notícias Agrícolas




Mantenha-se atualizado com o Agro KLFF

Cadastre-se e recebe diariamente as novidades do mercado

2016 Portal KLFF. Todos os direitos reservados.

Termos de uso. Política de privacidade.