Notícias

29/04/2019 - Pecuária

Procura pelo gado de reposição cresce com aumento de abates de fêmeas


A criação de gado no Brasil é bem especializada: tem criador que só lida com bezerro. Outros cuidam do animal jovem, o chamado boi magro. E tem quem faça a parte final da engorda, até o boi chegar ao ponto de abate.

Em Mato Grosso, o maior volume de abates de fêmeas dos últimos três anos tem feito crescer a procura pelo gado de reposição.

Segundo o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), em 2016, 1,8 milhão de cabeças foram para os frigoríficos. Em 2018, o abate de fêmeas saltou para 2,3 milhões.

Com menos matrizes no pasto, a oferta de bezerros também diminui. “Em 2018 nós fechamos com recorde de 10% dos animais abatidos. Mais de 10% foram novilhas, ou seja, animais que iriam repor as matrizes também estão sendo abatidos”, diz Faber Monteiro Carneiro, consultor de pecuária.

Em Barra do Bugres, o pecuarista Primo Menegalli, que trabalha somente com a terminação, precisa repor os animais na engorda. Nos últimos meses, ele pagou mais caro por isso.

“(Por um gado de) 18 meses, 20 meses o ano passado, eu pagava R$ 1.700 e, este ano, são R$ 2.000”, diz.

Fonte: Globo Rural - http://tempuri.org/tempuri.html




Mantenha-se atualizado com o Agro KLFF

Cadastre-se e recebe diariamente as novidades do mercado

2016 Portal KLFF. Todos os direitos reservados.

Termos de uso. Política de privacidade.