Notícias

08/02/2019 - Soja

Plantio de soja em fevereiro preocupa pesquisadores


Os produtores de soja podem semear a oleaginosa apenas até 31 de dezembro. Neste ano, porém, para produzir sementes para consumo próprio, alguns produtores estão semeando em fevereiro, o que põe em risco toda a defesa fitossanitária do setor.

O plantio de soja fora do calendário estipulado para os estados realimenta doenças, principalmente a ferrugem da soja, e torna as pragas mais resistentes.

O plantio em fevereiro é o ideal porque daria menor prazo de armazenamento da semente entre colheita e plantio. A armazenagem é uma das etapas mais caras do processo.

A semeadura neste mês, porém, deixa inócuo o vazio sanitário, feito exatamente para evitar a proliferação de pragas de uma safra para outra.

Entidades de pesquisa se reuniram nesta quinta-feira (7) em Cuiabá (MT) para avaliar a liberação excepcional para experimentação de plantios da cultura do soja no mês de fevereiro.

O objetivo é avaliar a incidência, severidade e gerações do fungo Phakopsora pachyrhizi (o fungo da ferrugem da soja), conforme a pauta da convocatória da Comissão de Defesa Sanitária Vegetal do estado de Mato Grosso.

No final da reunião, 80% das entidades se disseram contra o plantio em fevereiro. Se isso ocorrer, todo o esforço dos últimos anos na defesa sanitária estará comprometido.

A comissão é consultiva e o Indea (Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso) deverá definir se publica uma Instrução Normativa liberando excepcionalmente o plantio na safra 2018/19.

Na reunião desta quinta, participaram pesquisadores ligados à fitopatologia. Nesta sexta, haverá uma reunião da plenária da Comissão de Defesa Sanitária e Vegetal de MT, que deliberará sobre a proposta da IN.

O governo deverá acatar ou não a sugestão da comissão. Para pesquisadores, a permissão de plantio, se dada, será por pressões políticas.

Frango As exportações somaram 282 mil toneladas no mês passado, 15% inferior às do mesmo mês em 2018. As receitas caíram para US$ 453 milhões, 13% menos do que no ano passado.

Suínos Os dados são da ABPA (Associação Brasileira de Proteína Animal), que apontou, ainda, quedas de 11% no volume e de 18% nas exportações de carnes suínas. O mercado deverá retomar as exportações a partir deste mês, segundo Francisco Turra, presidente da entidade.

Inflação Os produtos agropecuários tiveram deflação de 0,88% no primeiro mês do ano no atacado, conforme dados do IGP-DI da FGV. Nos últimos 12 meses, a taxa acumulada foi de 7,13%.

Por Mauro Zafalon
Fonte: Folha de S.Paulo - http://tempuri.org/tempuri.html




Mantenha-se atualizado com o Agro KLFF

Cadastre-se e recebe diariamente as novidades do mercado

2016 Portal KLFF. Todos os direitos reservados.

Termos de uso. Política de privacidade.