Notícias

22/11/2018 - Milho

Lembra do louco do milho? Ele fez o contrário de todos. E, sim, ele estava certo


Em 2017, Júlio Cesar Pereira Junior foi um dos primeiros a começar o plantio da safra, no início de outubro. Era época de seca, mas seguiu em frente. Teve paciência, esperou as chuvas – e se deu bem. Foram 3.080 hectares de soja e 700 de milho verão. A produtividade passou das 73 sacas por hectare para a soja e 200 no milho – bem acima da média de outros produtores.

À medida em que colhia, em fevereiro, ele semeava milho para a segunda safra (safrinha), em um momento em que poucos apostavam no grão. Muitos diziam que era loucura. “É colheitadeira na frente, plantadeira atrás”, afirma Pereira Junior. Resultado: o milho plantado mais cedo, foi colhido mais cedo. “Esse ano deu lucro”, garante. Foram 119 sacas por hectare na segunda safra, enquanto que a média na região para o período varia de 80 a 100.

Agora, na nova safra, a estratégia é parecida, mas adaptada. Júlio Cesar investiu ainda mais na área de soja – subiu para 3.610 hectares semeados, já no início de outubro. “Fizemos o plantio rápido, em 15 dias”, diz. Diferente da safra passada, as chuvas chegaram logo após a primeira semana do mês. E mesmo com a alta produtividade passada, na lavoura não há milho verão. Em contrapartida, há 210 hectares do chamado milho semente.

“O milho semente é produzido para empresas que vendem as sementes para o produtor fazer a safrinha (segunda safra). E dá um dinheiro ‘bão’”, brinca o produtor.
Por falar na safrinha, Júlio Cesar estima que lá pelo dia 15 de janeiro (se tudo correr bem) já estará colhendo a soja, e imediatamente semeando 3.018 hectares de milho segunda safra – mais que os 2.550 hectares da safra passada. E engana-se que é apenas para colher milho mais cedo: é para colher bem.

“O que as pessoas ainda não entendem é que a safrinha está tão relacionada à chuva quanto ao Sol. Ao antecipar o plantio, você ganha mais horas de luz por dia, e não apenas mais chuva. Quando entra o inverno, os dias diminuem de tamanho, e afetam a produtividade”, ensina Pereira Júnior, que é agrônomo e economista de formação.

A estratégia para o milho safrinha é começar a colheita já no fim da primeira quinzena de junho. “E vai até agosto”. Depois, é hora de preparar novamente a terra. “Colocamos calcário em 100% das áreas para a correção de nutrientes do solo. Afinal, precisamos repor o que tiramos”, diz.

Então, o solo aguardará a chegada da nova safra para a reentrada do carro chefe da fazenda: a soja, que mesmo representando mais de 50% do faturamento, é beneficiada pelos nutrientes deixados no solo pelo milho durante a segunda safra. O milho, aliás, que representa 30% do faturamento da propriedade tem nesse caso uma dupla função: trazer rentabilidade e ajudar na produtividade da soja.

Por Giorgio Dal Molin
Fonte: Gazeta do Povo





Mantenha-se atualizado com o Agro KLFF

Cadastre-se e recebe diariamente as novidades do mercado

2016 Portal KLFF. Todos os direitos reservados.

Termos de uso. Política de privacidade.