Notícias

15/08/2019 - Tecnologia

Drones surgem como alternativa para controlar uso de pesticidas


Robôs em fazendas e drones estão revolucionando as atividades agrícolas. Estufas de alta tecnologia, controle do clima a partir do estímulo da chuva, automação do plantio através de máquinas de última geração. Os robôs fazem a colheita de morangos, alfaces e exterminam as ervas daninhas. Os drones captam imagens aéreas para auxiliar os agricultores a avaliarem a situação das plantações. Todos esses pontos demonstram que a modernização da agricultura já é uma realidade. Mas será que o avanço tecnológico vai ajudar a reduzir o uso de pesticidas? 

Seja para atender novas demandas ou se adaptar em um universo distinto de consumo, a agricultura tem passado por uma significativa transformação. Estufas robóticas no quintal de grandes centros urbanos são exemplos de como o cultivo de frutas e verduras tem se adequado aos novos tempos de consumo acelerado.

Nos últimos anos os drones, também chamados de VANTs - Veículos Aéreos Não Tripulados - têm se tornado cada vez mais populares. Primeiramente através de modelos com foco na captação de fotos e vídeos. Depois a partir de aparelhos mais potentes, inclusive realizando entregas, mapeando terrenos e ajudando em atividades antes só feitas por pessoas. Todo o avanço deste segmento tem projetado este setor para o mercado de investimentos. Por isso, atualmente já é possível negociar ações de drones e operar no mundo das finanças, tudo com foco neste tipo de eletrônico. A seguir, alguns tópicos irão discutir sobre a evolução da indústria dos drones e a relação desta tecnologia com o uso de pesticidas.

Histórico 
Alguns indícios apontam que os drones foram concebidos pelos alemães na Segunda Guerra Mundial. Contudo, a versão mais semelhante ao que existe atualmente surgiu nos Estados Unidos a partir da criação do israelita Abraham Karem. Desde então diversas empresas compreenderam o quão promissor é este setor, e por isso têm lançado produtos e serviços com foco em drones.

Utilização
Os drones possuem uma imensa possibilidade de utilização. Usuários iniciantes costumam adquirir este tipo de eletrônico mais no intuito de entretenimento. Amadores e pessoas um pouco mais experientes neste mercado acabam usando drones para gerar conteúdo em fotos e vídeos. Já no campo profissional os drones possuem uma infinidade de aplicações. Controle territorial, monitoramento de plantações, evolução de obras da construção civil, ações de marketing. Estes são apenas exemplos que podem se multiplicar de acordo com a criatividade de quem manuseia os veículos aéreos não tripulados.  

Empresas e Investimentos
DJI, Parrot, Yuneec, AeroVironment, Amazon, NVIDIA, Sony Corp ADR, Microsoft Corp são algumas das marcas de drones mais conhecidas ao redor do mundo. Elas representam significante fatia do mercado mundial. Algumas delas operam no modelo de capital aberto, mais uma forma de poder valorizar suas marcas e viabilizar o lançamento de novidades. Resumindo, investir em drones é uma realidade para aqueles que pretendem diversificar suas frentes de capital. 

Redução de Pesticidas
Recentemente, o uso de cerca de 240 novos pesticidas foi autorizado no Brasil. No total já são mais de 2 mil liberados para uso. O alto montante deste tipo de produto realmente preocupa até os mais leigos. É o momento que a tecnologia dos drones pode interferir com o objetivo de reduzir a utilização de tantos elementos nocivos. A partir destes veículos aéreos muitos produtores têm conseguido grandes resultados, passando a utilizar agrotóxicos de forma mais consciente. Inclusive, alguns empreendedores do setor agrícola afirmaram reduzir até 50% do uso de ingredientes para controle das plantações. Portanto, já é possível dizer que os drones impactaram intensamente na diminuição de pesticidas demonstrando a possibilidade de se obter cultivos mais saudáveis.

Também conhecidos como agrotóxicos, os pesticidas são utilizados há um longo tempo no setor agrícola brasileiro. Com o princípio básico de manter a lavoura saudável, este tipo de produto foi se popularizando. Por isso, em algumas vezes, pesticidas deixaram de ser utilizados apenas para controlar pragas e passaram a ser aplicados em larga escala. O resultado? Maçãs, mangas e tomates lindos por fora e não tão saudáveis por dentro.

O debate em torno do uso de pesticidas no Brasil tem sido bastante polêmico. Isto porque acelerar a produção, apenas com o foco na lucratividade é algo que pode prejudicar intensamente os consumidores. Por outro lado, agricultores e grandes empresas do setor permanecem na luta pela aprovação de pesticidas, com o objetivo de obterem maior controle e lucro. É o momento que a tecnologia chega para amenizar este tema e prover soluções que agradem tanto a população como o setor industrial. Afinal, nada melhor do que consumir um produto de qualidade e boa procedência.

Fonte: portal Emtempo




Mantenha-se atualizado com o Agro KLFF

Cadastre-se e recebe diariamente as novidades do mercado

2016 Portal KLFF. Todos os direitos reservados.

Termos de uso. Política de privacidade.