Notícias

28/09/2018 - Cana

Drones e vants sobrevoam canaviais e aumentam eficiência das operações


A revolução digital está cada vez mais presente no campo. Na agricultura moderna, não há mais espaço para os retrógrados, conservadores e tradicionalistas. Neste novo universo, a tecnologia faz parte do dia a dia do produtor, seja na gestão da fazenda ou na automação das atividades. Aqueles que relutarem, tendem a ficar menos competitivos e fadados a perdas de lucratividade e produtividade.

A figura do peão, por exemplo, que percorria dezenas de quilômetros em seu cavalo para monitorar as plantações nas propriedades rurais já virou lenda. Hoje, esse controle é feito lá do alto, com veículos aéreos não tripulados (VANTs) ou remotamente tripulados (drones). Eles disputam o espaço aéreo sobre as lavouras com as aves de rapina e esquadrilham cada centímetro das culturas. Do preparo do solo à colheita, esses equipamentos proporcionam grandes benefícios na gestão das atividades do campo, aprimorando os processos de produção, de controle da qualidade e redução dos custos, num cenário em que as propriedades rurais dispõem cada vez menos de mão de obra.

Seu espectro de uso é bastante amplo. No campo, essas aeronaves podem capturar imagens aéreas para identificar problemas e obter dados precisos de propriedades, fazendas, talhões e áreas circunvizinhas. A ferramenta pode, por exemplo, fazer levantamentos cadastrais do local, como tamanho de estradas, declividades do terreno, delimitação de quadras, áreas de preservação permanente, matas, reservas legais, localização de árvores, curvas de nível e áreas alagadas.

Na cana-de-açúcar, a tecnologia é bastante utilizada para localizar áreas de matocompetição, emitir mapas de linha de colheita, identificar falhas de plantio, detectar anomalias e mensurar locais atingidos por incêndios. Algumas unidades agroindustriais já fazem uso dos drones para aplicações localizadas de insumos e defensivos ou para a liberação de Trichogrammagalloi, uma vespinha parasitoide que atua no controle biológico da broca-da-cana.

Segundo dados da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), existem 41 mil equipamentos licenciados para operar no país. Entretanto, a percepção de profissionais do setor é que esse número ultrapasse a casa dos 120 mil. Deste montante, cerca de 40% estaria dedicado ao agronegócio. Estimativas da americana MicaSense, empresa líder no mercado mundial de câmeras e sensores para atividades rurais, afirma que o Brasil, dentro de dois anos, se tornará o terceiro maior mercado mundial de drones na agricultura.

Por Leonardo Ruiz
Fonte: CanaOnline




Mantenha-se atualizado com o Agro KLFF

Cadastre-se e recebe diariamente as novidades do mercado

2016 Portal KLFF. Todos os direitos reservados.

Termos de uso. Política de privacidade.