Notícias

04/11/2019 - Soja

Custos elevados na soja? Embrapa dá dicas para economizar na safra


No Paraná, os produtores de grãos estão quebrando a cabeça para fechar as contas e tentar diminuir os custos de produção desta safra. 

A lavoura de soja do produtor Luiz Fernando Bonesi, de Goioerê (MT), segue se desenvolvendo direitinho. Mas para deixar assim é preciso muito investimento e ele sentiu o tamanho do problema quando comercializou 40% da safra futura antecipadamente e, percebeu que os preços não correspondiam ao esforço.

“O ano passado compramos os produtos e fizemos contratos a R$ 76,50. Neste ano, quando a gente começou a fazer a campanha, conseguimos contratos a R$ 70,30 por saca. Tem uma diferença de quase 10%. Agora vamos torcer para dar certo e o preço melhorar”, comenta o agricultor.

Para completar, os produtores também irão precisar reaplicar os herbicidas para controlar o milho guaxo e as plantas daninhas.

“Provavelmente teremos que fazer esse manejo já com a cultura da soja instalada. Ou seja, já começamos a ter um custo a mais com herbicida, pelo fato de não ter feito o controle adequado devido à falta de chuvas”, diz o presidente da Aprosoja Paraná, Márcio Bonesi.

Em relação a custos, os produtores do Paraná tem uma grande preocupação: a ferrugem asiática. Segundo dados do consórcio antiferrugem, na safra 2018/2019 foram registrados 58 casos da doença, o que fez com que o estado ficasse em 2º lugar no número de ocorrências, atrás apenas do Rio Grande do Sul. No ciclo anterior foram 113 casos.

Com isso, o número de aplicação de herbicidas na soja é um pouco maior. Normalmente essas aplicações variam entre duas e três, mas lá, elas ficam entre 3 e 4, e isso aumenta os custos de produção.

E não é só com os herbicidas que os gastos aumentaram. O valor das sementes que era de R$ 400 por hectare, em agosto deste ano, saltou para R$ 424. Os fertilizantes passaram de R$ 446 para R$ 511. Já os defensivos agrícolas, onde incluem os herbicidas, saltaram de R$ 395 para R$ 420. Ao todo, os custos de produção no estado, segundo o Deral, subiram de R$ 3.360 por hectare para R$ 3.539. Ou seja, nesta safra, cada saca está custando R$ 64,35 centavos.

“O agricultor aqui faz conta e, com certeza, diminui um pouco o uso da tecnologia. Sempre que avaliam que irão precisar de mais sacas para pagar esse custo, se vê de onde pode tirar”, conta o presidente do Sindicato Rural de Goioerê, Sérgio Fortis.

O pesquisador da Embrapa Soja Amélio Dall’Agnol destaca algumas dicas para diminuir os custos da lavoura.
  • Fazer a inoculação das sementes, para reduzir o gasto com fertilizantes nitrogenados;
  • Evitar o excesso de sementes no plantio. Segundo ele, 12 já são suficientes por metro linear em espaçamento de 45 metros;
  • Não exagerar no uso de inseticidas e fungicidas.Já que, contra a ferrugem, é melhor aplicar na fase reprodutiva das plantas;
  • Realizar uma boa análise de solo.
“O que precisa é fazer uma amostragem bem feita. Isto é, coletar várias amostras de um mesmo talhão, misturá-las muito bem e formar uma amostra composta. Essa é a que será analisada e que vai indicar quanto de fósforo, de potássio, ou de nitrogênio é preciso adicionar naquele solo”, diz o pesquisador.

Por Carolina Lorencetti
Fonte: Canal Rural




Mantenha-se atualizado com o Agro KLFF

Cadastre-se e recebe diariamente as novidades do mercado

2016 Portal KLFF. Todos os direitos reservados.

Termos de uso. Política de privacidade.