Notícias

27/08/2020 - Soja

Com bons preços, área de soja com seguro pode mais que dobrar no Brasil em 2020/21


O tamanho da área plantada com soja coberta por seguro agrícola no Brasil pode mais que dobrar na temporada 2020/21, atingindo 10 milhões de hectares pela primeira vez, após preços rentáveis impulsionarem vendas antecipadas de cerca de metade da produção antes mesmo do início do plantio em setembro.

“Considerando o comportamento de contratações do ano passado e a conjuntura deste ano, pode ser que a soja cresça 150% em área segurada”, disse à Reuters o diretor do Departamento de Gestão de Riscos do Ministério da Agricultura, Pedro Loyola.

Segundo ele, a previsão indica que a área segurada com a oleaginosa deve alcançar 10 milhões de hectares, com 120 mil apólices e 32,5 bilhões de reais em valor segurado.

No ano passado, foram 38.669 apólices, 4 milhões de hectares de soja e 10,9 bilhões de reais em valor segurado.

“Essa estimativa depende do comportamento de contratação, mas começou forte este ano e tudo indica que podemos chegar próximos do estimado”, comentou Loyola, ao ser questionado pela Reuters sobre a expectativa de crescimento.

Caso atinja 10 milhões de hectares, a área segurada com soja no Brasil poderia somar mais de 25% da área plantada, projetada para atingir cerca de 38 milhões de hectares, conforme pesquisa da Reuters.

Ele lembrou que essa ferramenta de proteção da renda do produtor é uma das prioridades do Ministério da Agricultura, que tem destinado mais recursos para as subvenções do prêmio do seguro no Plano Safra.

O orçamento federal para subsídio de seguro rural passou de 440 milhões de reais no ano passado para 955 milhões em 2020, ampliando o suporte contra pragas, doenças e, principalmente, intempéries climáticas na lavoura, comentou Loyola.

NA ESTEIRA DA ANTECIPAÇÃO
O presidente da Associação Brasileira de Produtores de Soja (Aprosoja Brasil), Bartolomeu Braz, disse que o valor mais alto de subvenção e a boa situação do produtor, que está em uma posição mais favorável de remuneração e custos, auxiliam na adoção de mais políticas no planejamento da safra, como o seguro.

Após exportações firmes ao longo do ano e ajuste na oferta, na esteira da demanda chinesa, os preços da soja já superaram 130 reais por saca no porto de Paranaguá (PR) neste mês e se aproximam do recorde em termos reais (deflacionados), conforme levantamento do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea).

Neste contexto, o produtor acelerou também as vendas antecipadas da safra 2020/21 e pode começar o plantio, em setembro, com mais da metade da produção estimada comercializada, segundo o presidente da Aprosoja.

“Essas vendas futuras têm que ser entregues, então isso precisa ser mitigado”, disse Braz sobre a risco assumido pelos agricultores com o nível de antecipação nas vendas e, como consequência, maior procura por seguro rural.

SEGURADORAS
O presidente da Comissão de Seguro Rural da Federação Nacional dos Seguros Gerais (FenSeg), Joaquim Neto, destacou que a estrutura brasileira de seguro agrícola ainda é muito distante de concorrentes como os Estados Unidos, onde cerca de 90% da área de plantio é segurada.

No Brasil, este percentual ainda é 10%, mas é notável a ampliação na demanda vinda do setor de grãos de verão.

“Os cultivos de inverno são de maior risco, por estiagem, ocorrência de geadas, e historicamente já há maior interesse por contratar o seguro para essas culturas. Mas o que temos visto nos últimos anos, principalmente no Centro-Oeste, é que os agricultores têm demandado seguro para os grãos de verão, principalmente a soja”, explicou.

Ele ainda ressaltou o interesse de produtores de soja no Norte e Nordeste, nos Estados que compõem a região do Matopiba —Maranhão, Tocantins, Piauí e oeste da Bahia—, que contam com um projeto específico do governo para fomento à contratação de seguro.

Para as seguradoras, houve um incremento de 25,2% na captação de prêmios com seguro rural (valor que se paga para adquirir o seguro) durante o primeiro semestre, disse Neto.

E para o 2020, a expectativa da FenSeg é crescer 35% na captação de prêmios neste setor, ante os 5,311 bilhões de reais captados no ano passado.

“O agricultor tem tido bons valores na comercialização dos seus produtores e tem investido mais em tecnologia, o que faz com que a expectativa de produção dele aumente... e o risco acaba sendo maior. Acreditamos que isso tudo tem sim corroborado e ainda deve dar continuidade ao aumento de contratação de seguro agrícola”, avaliou.

Por Nayara Figueiredo
Fonte: Reuters




Mantenha-se atualizado com o Agro KLFF

Cadastre-se e recebe diariamente as novidades do mercado

2016 Portal KLFF. Todos os direitos reservados.

Termos de uso. Política de privacidade.