Notícias

01/04/2020 - Soja

Chuvas compensam atraso no plantio, e safra de soja e milho chega à colheita dentro da normalidade


Apesar do atraso no início do plantio da soja e do milho de verão nesta temporada, as boas condições climáticas ao longo do desenvolvimento da safra 2019/20 garantiram uma produtividade média nacional dentro do normal.

A previsão do Rally da Safra, expedição que percorreu 63,3 mil quilômetros nos últimos três meses, é que o rendimento das lavouras brasileiras de soja deve atingir 56 sacas por hectare neste ano, cerca de uma saca a mais do que o observado no ciclo anterior.

“Tivemos um verão com chuvas na medida certa e, às vezes, até um pouco acima da média. Mas foram pancadas seguidas de dia aberto, e isso ajudou no desenvolvimento das lavouras quase que em todo o Brasil, com exceção do Rio Grande do Sul”, explica Fabio Meneghin, sócio analista da Agroconsult, ao lembrar dos efeitos da seca enfrentada pelos gaúchos.

A consultoria avalia que a produtividade média no Estado fique em torno de 36 sacas de soja por hectare, com alguns produtores chegando a relatar rendimentos de até 8 sacas por hectare - a pior produtividade dos últimos oito anos.

"O Rio Grande do Sul é o Estado que diverge de todas as outras condições do Brasil. Tivemos clima seco praticamente durante os três últimos meses e com resultados muito ruins", diz Fabio Meneghin.

Produtividade recorde
Se no RS o cenário foi de prejuízo, as perspectivas são de produtividade recorde no Maranhão (54,5 sacas por hectare), no Mato Grosso (59,3 sc/ha) e no Paraná (63 sc/ha). Além do clima, os analistas da Agroconsult destacaram a menor pressão de pragas e doenças nas lavouras, fator que pode ser atribuído também às temperaturas mais altas.

“O clima fez com que a pressão de doenças fosse menor. Com isso, vimos redução em termos de aplicações, até mesmo de produtos que estavam comprados e não precisaram ser usados”, explica André Debastiani, coordenador da expedição, ao ressaltar o papel do agricultor no combate a pragas e doenças.

Disponibilidade de luz
Outro fator positivo das condições climáticas nesta temporada foi a maior incidência de radiação solar ao longo do desenvolvimento das lavouras. Com isso, foi possível observar um aumento não só no número de grãos colhidos por hectare, mas também no peso.

“Este foi o segundo fator positivo mais importante desta safra. Constatamos um maior peso de grãos em praticamente todas as regiões que a gente visitou”, afirma Debastiani. No Paraná, Estado com a maior produtividade nacional, esse ganho é estimado em 20%.

"A principal leitura dessa safra é a recorrência do relato de que as baixas produtividades foram eliminadas, só não foram nas regiões onde houve problema climático. Mas naquilo que depende do desempenho dos produtores e de tecnologia, avançamos bastante", diz André Pessoa, sócio diretor da Agroconsult.

Com esses resultados, a Agroconsult espera uma produção total e soja de 123,5 milhões de toneladas de soja, com uma área plantada de 36,8 milhões de hectares. O volume supera as 118,8 milhões de toneladas registradas em 2018/19, mas fica abaixo das 124,3 milhões de toneladas estimadas inicialmente pela consultoria.

Por Cleyton Vilarino
Fonte: Globo Rural




Mantenha-se atualizado com o Agro KLFF

Cadastre-se e recebe diariamente as novidades do mercado

2016 Portal KLFF. Todos os direitos reservados.

Termos de uso. Política de privacidade.