Notícias

24/10/2018 - Soja

China estuda suspender compra de soja dos EUA

Medida, forçada pela guerra comercial entre os dois países, pode trazer benefícios ao Brasil

A China estuda meios de suspender toda a compra de soja dos Estados Unidos após o endurecimento da guerra comercial entre os dois países, informou a CNN. Desde julho, com a deflagração das tensões, os grãos norte-americanos foram taxados em 25% pelo governo chinês, limitando a entrada do produto no país.

A China é a maior compradora de soja do mundo e usa o grão como a base da ração de animais, principalmente porcos e galinhas, abatidos para abastecer a sua enorme demanda interna. O país é o principal comprador dos Estados Unidos. No último ano foram comercializados US$ 12 bilhões em grãos com o país, segundo a CNN.

“Está diretamente ligado à guerra comercial EUA-China”, disse Loren Puette, diretor da empresa de pesquisa ChinaAg em Taiwan. “A implicação é que a China suspenderá completamente todas as importações futuras de soja dos EUA”.

De acordo com a reportagem, a China já diminuiu a compra do produto norte-americano. “As importações dos EUA foram quase inexistentes nos últimos meses”, afirmaram analistas da empresa de pesquisas Fitch Solutions em uma nota aos clientes nesta semana.

Benefícios ao Brasil

A decisão dos chineses deve trazer benefícios aos produtores brasileiros. A China é o principal parceiro comercial do Brasil, e a soja representa a maior fatia dos produtos nacionais direcionado ao mercado do país asiático.

Segundo dados do Ministério da Agricultura, exportações de soja do Brasil para a China somaram 50,9 milhões de toneladas de janeiro a agosto deste ano. O volume é 78,8% de toda soja vendida pelos produtores brasileiros ao exterior. As vendas somaram US$ 25,7 bilhões, um aumento de 20% em comparação ao mesmo período do ano anterior.

O aumento da compra da soja brasileira pode ser uma opção para cobrir a falta dos produtos norte-americanos. Porém, segundo a CNN, a produção do Brasil não seria o suficiente.

Uma das alternativas seria incentivar os próprios agricultores chineses a plantarem a soja. Mesmo assim, analistas afirmam que a medida não seria o bastante para abastecer toda a demanda e levaria muito tempo para ser implementada.

Fonte: IstoÉ Dinheiro





Mantenha-se atualizado com o Agro KLFF

Cadastre-se e recebe diariamente as novidades do mercado

2016 Portal KLFF. Todos os direitos reservados.

Termos de uso. Política de privacidade.