Notícias

24/06/2020 - Outros

Alta do dólar impacta nos preços dos fertilizantes


O aumento do dólar, no primeiro semestre deste ano, impactou diretamente nos valores dos fertilizantes agrícolas.

Conforme os dados do Instituto para o Fortalecimento da Agropecuária de Goiás (IFAG), se compararmos maio deste ano com o mesmo período de 2019, o valor da tonelada da ureia e do super simples (fertilizante com base em fosforo) valorizaram 10% e 5%, respectivamente.

"Vale salientar que a valorização só não foi maior devido à queda no preço internacional destes produtos, causados principalmente pelas incertezas quanto às demandas por insumos e alimentos e ao crescimento econômico, diante da pandemia", explica Leonardo Machado, coordenador institucional do IFAG.  Ele explica que na cultura da soja, por exemplo, os fertilizantes e corretivos representam 31% do custo operacional efetivo (COE); no milho safrinha, 24%, e no feijão irrigado 25%."Este insumo tem forte influência no custo de produção das culturas", explica Leonardo.

De acordo com as informações divulgadas no Portal da Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás, a alternativa para o produtor rural é buscar fontes alternativas de nutrição para planta. Essas fontes de nutrientes podem ser orgânicas, minerais ou organominerais - conhecidas como bioinsumos. Consideradas boas opções, as rochas fosfatadas ou bioinsumos, são usadas como fonte de fósforo e potássio para o solo. 

Por Aline Merladete
Fonte: Agrolink




Mantenha-se atualizado com o Agro KLFF

Cadastre-se e recebe diariamente as novidades do mercado

2016 Portal KLFF. Todos os direitos reservados.

Termos de uso. Política de privacidade.