Notícias

24/08/2018 - Outros

Agro e indústria pedem anulação do frete mínimo


Entidades dos setores do agronegócio e da indústria estão reforçando a inconstitucionalidade do tabelamento para o frete mínimo do transporte rodoviário de cargas. O assunto foi discutido durante o “Seminário Frete sem Tabela, Brasil com Futuro”, que ocorreu na quarta-feira (22.08). 

O Seminário ocorreu a uma semana antes das discussões em torno da medida pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Segundo as entidades, as políticas de interferência de preços nunca funcionaram neste segmento e citaram como exemplo o ano de 1980, quando experiências que não foram bem-sucedidas resultaram em uma alta inflação. 

Nesse cenário, o presidente da Associação Brasileira das indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), André Nassar, afirmou que o Congresso Nacional não efetuou a devida análise do processo e aprovou a medida de forma “descuidada”. Além disso salientou que o Executivo usou a paralisação dos caminhoneiros como pretexto para “lavar as mãos”. 

“Ninguém quer passar por uma paralisação daquela magnitude, nem pelos estragos que ela causou ao país, mas usar disso para tomar decisões ainda mais desastrosas para a sociedade é pior”, opinou. 

Além disso, o presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Soja (Aprosoja), Bartolomeu Braz, afirmou que as safras estão tendo prejuízos com o tabelamento. Para a atual safra do milho, por exemplo, ele diz que os prejuízos superam os R$ 2 bilhões. 

“A criação do frete mínimo causou inflação e aumento de 12% nos preços dos alimentos. Muitas vezes o frete é mais caro que o produto. Em certos momentos, vai ser melhor transportar milho do que produzir o milho”, finaliza. 

Por Leonardo Gottems
Fonte: Agrolink




Mantenha-se atualizado com o Agro KLFF

Cadastre-se e recebe diariamente as novidades do mercado

2016 Portal KLFF. Todos os direitos reservados.

Termos de uso. Política de privacidade.